carregando...

Artigo

5 de fevereiro de 2024

Publicada Nova Lei Dos Agrotóxicos

No dia 28 de dezembro de 2023, foi publicada e entrou em vigor a Lei 14.785/2023 (“Lei dos Agrotóxicos”), que passa a regular a produção, comercialização e uso de agrotóxicos no Brasil, revogando a Lei 7.802/89.

Entre as principais alterações, notam-se novos prazos para inclusão e modificação de registros de produtos, a exclusão de vedações anteriormente aplicáveis ao registro de agrotóxicos e o aumento significativo do teto da multa aplicada em caso de descumprimento.

Destacamos os seguintes pontos da nova Lei dos Agrotóxicos:

Prazos de Registro

A nova lei reduziu diversos prazos de conclusão dos pedidos de registro, que antes variavam de 12 a 36 meses, dependendo do tipo de produto e da situação. Os novos prazos são os seguintes:

  • produto novo – formulado e técnico: 24 meses;
  • produto formulado, genérico, atípico, para agricultura orgânica, à base de agente biológico de controle e pré-mistura: 12 meses;
  • produto formulado idêntico: 60 dias;
  • demais alterações: 180 dias.

Espera-se que muitos registros em espera sejam analisados e o mercado tenha um aumento significativo de produtos ofertados.

Importante pontuar que a definição dos prazos acima deve ser interpretada em conjunto com as disposições da Lei nº 13.874/19 (Lei de Liberdade Econômica), que estabelece a garantia de cumprimento de prazos nas solicitações a autoridades públicas. Em caso de descumprimento do prazo de análise pela autoridade, nasce o direito de buscar o judiciário para concluir o processo de registro no prazo devido.

Registro Especial Temporário

Criou-se o Registro Especial Temporário para produtos novos que se destinarem à pesquisa e experimentação, assegurada a realização de auditorias pelo órgão registrador.

Proibição

É proibido o registro de agrotóxicos que representem risco inaceitável para seres humanos ou para o meio ambiente, mesmo com medidas de gestão de risco implementadas. Qualquer exigência relativa ao registro de agrotóxico deverá seguir o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), o Acordo sobre a Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) e o Codex Alimentarius.

Não obstante, foram excluídas disposições da lei anterior que vedavam expressamente o registro de produtos em casos específicos, como no caso de produtos para os quais o Brasil não dispusesse de antídotos ou de modos que pudessem impedir os resíduos de provocar riscos ao meio ambiente e à saúde pública.

Cancelamento em caso de não utilização

Outra nova regra é que o titular do registro passa a ter até 2 anos para iniciar a produção e comercialização do produto, sob pena de cancelamento do registro concedido. Além disso, o órgão registrante deverá ser informado do início da produção e comercialização. Em caso de cancelamento, o titular somente poderá pleitear novo registro após 1 ano.

Sanções

São previstas sanções administrativas em caso de violação de qualquer disposição da Lei dos Agrotóxicos. São elas: (i) advertência; (ii) multa; (iii) apreensão ou interdição do agrotóxico; (iv) inutilização do agrotóxico; (v) suspensão ou cancelamento do registro; (vi) interdição temporária ou definitiva do estabelecimento; (vii) destruição de vegetais e alimentos com uso acima do permitido ou nos quais tenha havido a aplicação de produtos de uso não autorizado.

As multas agora variam entre R$ 2.000,00 e R$ 2.000.000,00, proporcionalmente à gravidade da infração, valores esses muito superiores aos estabelecidos na legislação anterior (R$ 20.000,00). No caso de reincidência, a multa poderá ser calculada em dobro.

Outros Assuntos

Além dos destaques acima, a lei aborda temas como comercialização, embalagens, rótulos, bulas e procedimentos gerais de registro e as competências dos órgãos públicos envolvidos.

Adjuvantes, i.e., itens utilizados em mistura com produtos formulados para melhorar sua aplicação, não são regulados pela Lei dos Agrotóxicos, estando fora de sua cobertura, e serão regidos por regulamento específico.

Este boletim tem propósito meramente informativo e não deve ser considerado a fim de se obter aconselhamento jurídico sobre qualquer um dos temas aqui tratados. Para informações adicionais, contate os líderes do time de Life Sciences.

CGM Advogados. Todos os direitos reservados.

Conteúdo relacionado