carregando...

Notícia

3 de junho de 2024

Nova Lei sobre Pesquisa com Seres Humanos

Em 29 de maio de 2024 foi publicada a Lei nº 14.874/2024, que tem por objetivo regulamentar a pesquisa com seres humanos no Brasil e instituir o Sistema Nacional de Ética em Pesquisa.

A nova Lei visa ampliar o conceito de pesquisas com seres humanos no Brasil, englobando não só a pesquisa clínica, mas também a pesquisa científica, tecnológica ou de inovação, bem como instituir e controlar as boas práticas clínicas.

O controle das boas práticas clínicas será exercido por meio dos Comitês de Ética em Pesquisa (CEPs) que, a despeito de já existir em regulamentações anteriores, passa a ter um conceito mais amplo e objetivo das funções que deverá desempenhar, cabendo aos CEPs assegurar a proteção dos direitos, da segurança e do bem-estar dos participantes da pesquisa e aprovar a ética dos protocolos de pesquisa e dos métodos e materiais a serem utilizados para obter e documentar o consentimento livre e esclarecido dos participantes da pesquisa.

Além disso, a Lei também determina que devem ser observadas exigências éticas e científicas nas pesquisas, tais como o embasamento em avaliação favorável da relação risco-benefício ao participante da pesquisa e à sociedade e a adoção de procedimentos que assegurem a qualidade nos aspectos técnicos envolvidos e a validade científica da pesquisa.

Um dos pontos positivos da nova legislação é a definição das responsabilidades do patrocinador e do pesquisador, dentre elas, respectivamente, a indenização e assistência à saúde do participante em caso de danos sofridos em decorrência da pesquisa e garantia dos direitos, bem-estar e segurança dos participantes. Além disso, a Lei estabelece expressamente que as informações sobre a pesquisa contidas no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) assinado pelo participante não podem indicar ou sugerir a isenção de responsabilidade do pesquisador ou patrocinador.

A legislação dedica um capítulo para tratar da proteção ao participante da pesquisa e do armazenamento e da utilização de dados e de material biológico humano dos participantes, estabelecendo direitos aos participantes da pesquisa, como a possibilidade de retirar o consentimento de guarda e utilização de seu material biológico armazenado a qualquer tempo.

A nova regulamentação ainda define regras para fabricação, uso, importação e exportação de bens e produtos para fins de pesquisa clínica com seres humanos, que deverão ser autorizados pela autoridade sanitária competente e deverão estar em conformidade com o protocolo de pesquisa aprovado.

Outro ponto positivo da legislação é o estabelecimento de diretrizes para a continuidade do tratamento após a pesquisa, por meio do programa de fornecimento pós-estudo, que garante aos participantes acesso gratuito ao medicamento experimental após o término da pesquisa, sempre que o medicamento experimental for mais benéfico ao participante em comparação com os demais tratamentos disponíveis, e continuarão sendo assistidos pela instituição que desenvolveu a pesquisa por um prazo determinado.

Por meio da nova Lei, foi instituído o Sistema Nacional de Ética em Pesquisa Clínica com Seres Humanos, o qual ficará pendente de regulamentação por ato do poder executivo e se divide em uma instância nacional de ética em pesquisa e em instâncias de análise ética em pesquisa, representada pelos CEPs.

Até o momento, as pesquisas com seres humanos no Brasil estavam previstas em legislações esparsas, tais como a Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA nº 9/2015 e a Resolução do Conselho Nacional de Saúde nº 466/2012, a qual revisou e atualizou a Resolução do Conselho Nacional de Saúde nº 196/1996, entre outras, as quais possuíam lacunas em sua regulamentação, dificultando o desenvolvimento científico no país.

De acordo com o relator do projeto da Lei no Senado, a regulamentação de pesquisas com seres humanos é importante para o desenvolvimento científico e tecnológico nacional, bem como para melhoria da assistência à saúde da população brasileira. Defende, ainda, que a atividade de pesquisa possibilita a geração de empregos qualificados, além de propagar conhecimentos benéficos à população em geral.

A publicação da Lei certamente criará um ambiente regulatório propício para o recebimento de investimentos para realização de pesquisas clínicas no país, além de beneficiar pessoas que sofrem de doenças de difícil tratamento, como o câncer e doenças raras, conforme bem observado pelo relator. A Lei nº 14.874/2024 entra em vigor após 90 (noventa) dias de sua publicação oficial.

Este boletim tem propósito meramente informativo e não deve ser considerado a fim de se obter aconselhamento jurídico sobre qualquer um dos temas aqui tratados. Para informações adicionais, contate os líderes do time de Life Sciences.

CGM Advogados. Todos os direitos reservados.

Conteúdo relacionado